Biografia
Pedro Rabelo de Araújo Neto é estudante e tem 16 anos, nasceu na cidade de São Jose dos Campos - São Paulo. Cedo se mudou para Blumenau em Santa Catarina, mas aos 8 anos de idade se fixou com sua família na cidade de Brusque, marcando o início de sua paixão pela escrita e por todo o mundo literário. Escreve poesias (apaixonado por sonetos), contos, crônicas, romances e dramaturgia.

Mensagem para Uniletras

Por saber que a juventude não é apenas o futuro do mundo, mas também o presente de nossa atual sociedade cabe a nós, jovens, nos unir e lutar pelo fim das guerras, pela paz, pelo fim da fome, do sofrimento, pela natureza e o amor, pela fraternidade e por tudo aquilo que o mundo precisa para se tornar um lugar melhor a todos que nele pretendem viver. Poder fazer parte de um grupo que compartilha destes mesmos anseios me enche de amor e esperança.


POESIA

Palavras

 

 

Penso. Repenso. Repenso em pensar
Olho no ar, mão na testa
No meu juízo uma fresta 
Uso. Desuso. Caneta a largar.

 

 

 

Pego a folha. Começo a tecer 
Palavras escritas, certa mensagem:
- Escreva, escreva. Crie coragem
Para mais, para menos. Não custa fazer.

 

 

 

Como pássaro que voa, texto flutua
Da mente, crente que dá certo
Escreva, mesmo com ramo de Abutua.
Repense. Pense. Repense no certo
Todo texto, mesmo incerto
Traz em si, nada que se exclua.

 


Soneto

Água Morta

 

É este emaranhado nó de rios
Que árduo pulsa entre a rija e seca vida
Trazendo a todos nós, homens esguios
Uma luxúria líquida e falida.

 

 

Teus homens viverão mil desafios
Em busca de uma vida ressarcida.
Pagarão por seus atos tão vazios
Para com nossa água acometida.

 

 


Tal essência vital surge na mata.
Desce a serra temendo o mal do homem,
Que sem pensar destrói tênue cascata.

 

 

Os homens que gulosos bem consomem
Deste mundo uma vida tão sensata
Matam, comem, desprezam e então somem!

 

Trovas

 

Água
Mamãe ferve Água barrenta
Papai colhe um milho triste
Sinto uma fome sedenta
Por um sonho que não existe

 

 

Café
Dica de poeta insano:
Sem café antes de dormir.
Pois o sono sofre dano
e os versos tendem a vir.

 

 

Poeta 
Com pálpebras tão pesadas
tento compor tal poesia.
Sou poeta das madrugadas
E não faço profecia.

 

 


Lua 
Sentada questiono a lua:
-É tão ruim ser sozinha?
E ela me responde crua:
-Vá dormir sua burrinha!